Oração sem sujeito

Na língua portuguesa, o sujeito e o predicado são classificados como termos essenciais de uma oração. Mas, como toda regra tem exceção, no nosso querido idioma existe oração sem sujeito.

Ficou intrigado com isso? Então continue lendo para saber como é simples!

Aprenda também:

 

Oração sem sujeito.

Comumente as orações apresentam sujeito e predicado. Por exemplo: atirei o pau no gato. O sujeito está oculto, mas existe: eu.

Porém, uma oração sem sujeito ocorre, obviamente, quando existe apenas o predicado.

Em outras palavras, o sujeito da oração é inexistente.

Esse fenômeno ocorre diante de verbos chamados de impessoais. Lembra-se do verbo haver no sentido de existir? Lembra-se de que ele não varia? Então esse é um belo exemplo.

Existem vários casos de oração sem sujeito Vejamos alguns desses casos…

Verbos que indicam fenômenos da natureza. Exemplos…

  • Hoje trovejou o dia todo.
  • Ontem nevou no Sul do Brasil.
  • Chove neste momento.

Verbos ser, estar, fazer e haver, relacionados aos fenômenos da natureza. Exemplos…

  • Faz sol no Nordeste.
  • Está chovendo na grande São Paulo.
  • Amanhã haverá geadas em alguns países.

Observe novamente que, como o verbo é impessoal, ele também é invariável. Isso é muito fácil de se entender, haja vista que as orações em análise não têm sujeito.

E, se não há sujeito, não há com quem concordar, concorda? (trocadilho horrível rsrsrsrs)

Mas tenha cuidado: se o verbo estiver no sentido figurado, a oração terá sujeito. Por exemplo: choveu canivete.

Em breve, vamos explicar também a diferença entre sujeito oculto ou desinencial e sujeito indeterminado. Até a nossa próxima dica de português!

Não deixe de aprender também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =